Mitos sobre redes sociais – O que é verdade e o que é lenda

Cresce o alcance e também crescem os mitos sobre redes sociais. Muitas pessoas empolgadas com a ascensão do alcance das redes sociais no Brasil acabam acreditando em alguns “fatos” sobre mídias sociais, que ninguém sabe de onde surgiram, que na verdade não passam de mitos.

Acreditar nesses mitos sobre redes sociais não é problema, afinal, o direito da crença é de cada um. O perigo é quando as pessoas passam a tomar decisões em cima disso. Ai sim, a coisa complica e bastante, principalmente se estas forem decisões gerenciais que envolvem os negócios de uma empresa ou marketing pessoal de alguém.

Todo mundo acessa as redes sociais

Esse é talvez um dos maiores mitos sobre redes sociais. Não é porque você tem um perfil em quase todas as redes sociais da moda que as outras pessoas obrigatoriamente seguem este comportamento. Acredite, muitas pessoas conseguem sobreviver sem um perfil no Facebook, Twitter, Google+ ou Instagram.

Calma, isso não significa que não valha a pena ter uma presença nas redes sociais. Mesmo que algumas pessoas não tenham um presença nas mídias sociais, mesmo assim elas são influenciadas por outras que participam de algumas redes sociais. Isso já é o suficiente para justificar o marketing nesse canal.

Marketing em redes sociais é grátis

Mitos Sobre Redes Sociais. O que é mito e o que é verdade em relação a mídias sociais.

Mitos Sobre Redes Sociais – O que é verdade e lenda?

Mais um dos mitos sobre redes sociais que derruba muita gente por ai e deixa de cabelo em pé quem trabalha de maneira profissional no gerenciamento de mídias sociais. Se a pessoa estiver se referindo ao acesso a plataforma de mídias sociais em si, concordamos que isso é realmente grátis.

O problema é que uma presença corporativa em mídias sociais não se resume única e exclusivamente ao acesso a rede.

Em um processo de marketing nas mídias sociais, existe todo um trabalho de planejamento, desenvolvimento de conteúdo, publicação, promoção destas publicações e monitoramento de resultados. Nesse trabalho no valemos de ferramentas que obviamente têm custos associados ao seu uso, e isso desmonta todo esse mito.

Além disso, existe também a remuneração dos profissionais que executam essas funções, que pela falta de mão de obra especializada no mercado, são os que recebem atualmente os maiores salários do marketing digital.

Gestão de mídias sociais é intuitiva

Se isso fosse verdade, por que motivo as empresas estariam pagando tão bem aos profissionais de social media? É claro que não tem nada de intuitivo na gestão de mídias sociais. Uma coisa é administrar um perfil pessoal no Facebook e outra, completamente é gerenciar a Fan Page de uma marca.

Os grandes #FAILS em redes sociais nascem dessa crença que todo mundo nasce sabendo gerenciar mídias sociais ou então, que só por ter um perfil em uma rede qualquer já pode ser considerado um Analista de Redes Sociais.

Gerenciamento de redes sociais, é estudo e atualização, é prática e teste, é análise e discussão. Não tem nada de intuitivo. É claro, que algumas qualidades pessoais como facilidade de comunicação e Savoir Faire para lidar com situações de crise são qualidades natas muito apreciadas em um gestor de mídias sociais, mas de aptidões naturais, para por ai. Um Community Manager não nasce pronto. É forjado ao longo do tempo.

Quanto mais seguidores ou fãs melhor!

Esqueça isso! Não é assim que se mede o trabalho em redes sociais. Esse é um dos mitos sobre mídias sociais mais antigos e também mais furados. Uma coisa é marketing e atendimento a clientes em redes sociais, outra coisa é coleção de fãs ou seguidores.

O que importa em uma presença nas mídias sociais é o engajamento que a marca consegue em função das ações promovidas. Tanto é que o indicador básico para essa análise, o Klout, se baseia justamente neste critério.

É por acreditar nesse mito que muita gente por ai sai comprando fãs no Facebook ou seguidores no Twitter e depois acaba se decepcionando com os resultados. Esqueça o critério de quantidade e foque na qualidade.

Uma crise nas redes sociais acaba com uma marca

Errado! Um exemplo disso foi a crise da Arezzo em 2011. A coisa foi muito séria, mas a marca soube superar a situação e continua muito bem obrigado. Situação semelhante passaram grandes marcas como Brastemp,  Renault e tantas outras que se viram envolvidas em uma crise nas redes sociais. Todas elas foram sérias e nem por isso as empresas fecharam.

O que dizer então do governo federal e a crise no mês de junho deste ano? Essa talvez tenha sido a pior de todas as crises em redes sociais e mesmo assim a presidenta Dilma desponta como provável vencedora nas eleições de 2014.

As crises certamente abalam uma marca, mas dai a dizer que podem acabar com ele é um exagero e não passa de mais um dos mitos sobre redes sociais que andam por ai. O gerenciamento de crises em redes sociais existe é pra isso, evitar danos maiores em tais situações e ensinar um pouco mais a marca como se comportar nestes casos.

O marketing nas redes sociais é de difícil mensuração

Outro mito sobre redes sociais que não tem o menor fundamento. As ferramentas de web análise são capazes de mensurar cada ação de marketing nas redes sociais de forma muito precisa e rápida. O Google Analytics, por exemplo, oferece todos os recursos para mensuração de resultados de qualquer tipo de ação de marketing em mídias sociais, como em qualquer outra forma de promoção, como e-mail marketing, Google AdWords e Facebook Ads.

A questão reside única e exclusivamente na configuração da ferramenta de monitoramento de tráfego. Se você domina as técnicas e ferramentas do Google Analytics esse monitoramento se torna extremamente fácil e transparente.

Esses são apenas alguns dos mitos sobre redes sociais que confundem a cabeça de pessoas e empresas. Você conhece mais algum? Compartilhe conosco. Mantenha-se atualizado sobre essa e outras questões relativas a mídias sociais e marketing digital assinando nossa Newsletter.

Avalie este artigo