Marketing político no Facebook

Marketing Político no Facebook como ferramenta de marketing eleitoral

Marketing Político no Facebook como ferramenta eleitoral

Dentre todas as mídias sociais, acredito que o marketing político no Facebook será a grande vedete das campanhas eleitorais online de 2016. Não é para menos.

O Facebook é a rede com maior número de usuários no Brasil e segundo dados do site Social Bakers, site de referência no que diz respeito a estatísticas e dados sobre o Facebook, estamos em terceiro lugar no mundo em número de usuários da rede de Mark Zuckerberg.

É natural que o marketing político no Facebook se destaque entre as outras redes sociais como Twitter, YouTube e outras mídias sociais disponíveis. São mais de 86 milhões de usuários, praticamente 45% da população brasileira, e mais importante ainda é que 67,2% destes usuários estão concentrados na faixa etária que vai de 16 a 60 anos, ou seja, eleitores em potencial. Ignorar um público desse tamanho é simplesmente um suicídio político.

Em termos de distribuição por gêneros temos uma ligeira predominância do público feminino, característica quase que mundial dessa rede social, o que a torna ainda mais convidativa. Sinceramente, em uma situação de orçamento apertado e escolha entre os diversos canais, eu apostaria minhas fichas no Facebook nas eleições de 2016.

Marketing Político no Facebook. Distribuição do eleitorado por faixa etária.

Marketing Político no Facebook. Distribuição do eleitorado por faixa etária.

Facebook como ferramenta de marketing político eleitoral

Se você ou o candidato não gostam do Facebook, isso não tem a menor importância, pois o fato é que muitos eleitores no Brasil possuem um perfil nessa rede. É claro que também existem aqueles, que como você, não estão nem ai para ter ou não uma conta no Facebook, mas ai eu faço uma pergunta: Qual mídia possui 100% de alcance do eleitorado? Isso mesmo, nenhuma.

Tida como uma rede social elitizada até bem pouco tempo atrás, o Facebook caiu no gosto dos brasileiro, e se tornou o verdadeiro herdeiro do trono que antes pertencia a Orkut. Por isso, em uma campanha de marketing nas redes sociais, o Facebook é ferramenta obrigatória e no caso do marketing político na Internet não seria diferente.

Planeje a presença no Facebook

Em primeiro lugar é preciso planejar detalhadamente a presença do candidato no Facebook. Qualquer campanha de marketing nas mídias sociais exige um detalhamento prévio de estratégias e recursos envolvidos nas diversas ações, para que se possa ter um trabalho fluido e eficiente. No caso do marketing político não é diferente.

Questões como identificação do público-alvo a ser atingido, criação das Personas, recursos técnicos necessários, desenvolvimento de conteúdo e sistemas de interação e monitoramento devem ser minuciosamente detalhadas, antes de qualquer postagem.

Produza conteúdo relevante

Uma campanha de Facebook Marketing de sucesso geralmente é alicerçada sobre dois pilares, o marketing de conteúdo e o uso de ferramentas pagas de divulgação como os Facebook Ads. Como a Lei 9.504, conhecida como Lei das Eleições, proíbe terminantemente o uso de mídias pagas quando se trata de campanhas eleitorais na Internet, a única saída para aumentar a base de seguidores no Facebook e gerar engajamento é a produção de conteúdo de qualidade e relevância.

Ai está o grande desafio de uma campanha de marketing político no Facebook, como produzir conteúdo que realmente empolgue os fãs da página e transforme esses fãs em eleitores, e mais ainda, em militantes digitais sinceros o suficiente para converter mais votos para o candidato.

Pelo lado técnico, a restrição ao uso dos Facebook Ads deixa a questão do Alcance das publicações ainda mais sensível. Para conquistar um universo cada vez maior de pessoas impactadas, é necessário trabalhar bem a questão do EdgeRank para manter o Alcance alto. No caso específico do marketing político no Facebook, essa é a única alternativa que nos resta.

Definindo um protocolo de interação

Em marketing político digital, temos a interação com o eleitor como objetivo principal de campanha. A vitória nas urnas é uma consequência lógica do sucesso nessa tarefa. Portanto, é preciso estabelecer um protocolo para essas interações de forma a tornar o discurso uniforme e coerente.

Engana-se redondamente quem acha que marketing político no Facebook seja apenas uma questão de criação da Fan Page e uma grande base de fãs. Se o seu problema é número de fãs, você pode até mesmo comprá-los com alguém que venda este tipo de serviço, mas posso garantir de antemão que isso simplesmente será dinheiro jogado fora. Um fã que não interage simplesmente vale exatamente nada em termos de Facebook marketing.

Definido o protocolo de interação, que deve abranger inclusive outras ações de marketing político nas redes sociais, devemos então determinar de quem será essa responsabilidade e quais serão as ferramentas utilizadas para essa tarefa. No mercado temos uma grande gama de ferramentas para nos auxiliar nessas tarefas, algumas até gratuitas, mas dependendo do tamanho da campanha é necessário recorrer a sistemas mais sofisticados, com mais recursos e pagos.

Outro ponto importante, no que diz respeito às interações, é a criação de um protocolo para gerenciamento de crises nas redes sociais, muito comuns neste tipo de campanha. Sem um procedimento bem definido nestas situações, a campanhas pode perder o controle da situação e até mesmo transformar um pequeno mal entendido em um verdadeiro desastre eleitoral.

Preparação de pessoal

Marketing político no Facebook não é coisa para se deixar a cargo do Sobrinho que não sai da Internet. Uma campanha profissional exige profissionais capacitados e com uma sólida formação em marketing digital e em especial nas técnicas de Facebook Marketing e Redes Sociais. Não dá para improvisar nesta hora.

Em uma eleição majoritária os candidatos estarão concorrendo com equipes muito bem estruturadas e tecnicamente capacitadas, que além de empregarem técnicas avançadas de comunicação no Facebook e outras áreas do marketing político digital, também são capazes de identificar candidaturas fracas nestas área, e ai… é um verdadeiro massacre. Uma situação onde se aplica aquela regra: Se não sabe brincar, não desce para o play.

Os custos de uma campanha de marketing político no Facebook

Um grande mito sobre redes sociais é o de que tudo é de graça. Pode até ser para a presença individual, a brincadeira com amigos e familiares, mas quando você as usa de forma profissional, existem custos sim. Os custos começam pelo profissional ou profissionais que irão compor a equipe, que sendo realmente capacitados, possuem salários que dependendo do tamanho da campanha poder pesar um pouco no orçamento, mas irão valer cada real investido.

Além disso, temos também o custo das ferramentas mais sofisticadas para Facebook Marketing, como as oferecidas pelo Social Baker na sua versão Pro e outras ferramentas estratégicas. Soma-se a isso a ferramenta de monitoramento de redes sociais, indispensável neste tipo de trabalho. Isso é caro? Não. Em uma eleição, não existe nada caro, caro é perder a eleição.

Como você pode ver, o marketing político no Facebook pode funcionar como uma poderosa ferramenta em campanhas eleitorais, mas é necessário planejamento e muita preparação para que gere os resultados desejados. Portanto, não perca tempo, pois as eleições estão logo ali e em termos de marketing político digital, elas já começaram, mas ainda dá tempo.

Mantenha-se atualizado sobre outras questões envolvendo o marketing político no Facebook e outras mídias sociais assinando Boletim Informativo.

Por Alberto Valle, consultor e instrutor da Academia do Marketing

0.00 avg. rating (0% score) - 0 votes